quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

O entrevista do Xeque-Mate dessa semana é Rafael Freire.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Programa Xeque-Mate entrevista Víctor Uchôa


Um campeão por natureza, assim podemos adjetivar Víctor Uchôa, nasceu a 00h05m de 1º de janeiro de 2001 de sete meses, começou a mostrar interesse por automobilismo aos dois anos de idade quando acompanhava as corridas de seu pai. Desde cedo o garoto mostrou interesse pelo automobilismo e defeniu desta maneira o destino de toda a sua vida. Menino esperto e muito dinâmico, Victor Uchôa com apenas 6 anos já começou a participar da modalidade kart. O início das corridas de carro.

Por trás de um futuro campeão das pistas há sempre uma grande equipe, com Victor a história se repete. O menino para se preparar melhor para as competições dos próximos anos obtem ajuda de profissionais. Existem psicólogo, nutricionista e personal trainner que auxiliam o garoto. Victor Uchôa  sabe deste cedo a responsabilidade que carrega. A característica marcante do menino é sua tamanha simplicidade como pessoa que conhece seus próprios limites.

O garoto já está competindo em outras regiões do país, entretando a discriminação que ocorreram fez a equipe desistir dos circuitos Sul-Sudeste. Victor já esteve na Europa, conhecendo Portugal, Espanha e a Itália, esta última considerado epicentro das corridas automobilisticas. O pai do menino, 
o empresário Gláucio Uchôa deixa claro que também há discriminação no exterior com os brasileiros, dizendo os euroepeus que os pilotos brasileiros agem de má fé.
 
Contudo tanto o garoto quanto a sua importante equipe não se deixam abalar pelas dificuldades encontradas. A modalidade de corridas automobilisticas em Natal é muito limitada e por causa disso a família Uchôa pretende obter uma residência na Europa para dar continuidade a carreira do menino.

sábado, 20 de novembro de 2010

Diretor do Hospital Varela Santiago foi o entrevistado da semana


O menino Paulo Xavier, que até os 15 anos de idade era semi-analfabeto, tornou-se um dos médicos mais respeitados do Rio Grande do Norte e diretor de um dos principais hospitais especializados em câncer infantil no estado, o Varela Santiago. O médico iniciou o programa falando um pouco sobre a sua trajetória de vida, lembrando a época em que morava no bairro do Alecrim, quando não estudava ou apresentava grandes expectativas para o futuro. De acordo com ele se não fosse o incentivo e a ajuda do Professor e Sargento Luciano de Oliveira, ele não teria chegado aonde chegou. “Lembro desse cidadão todos os dias da minha vida”, afirmou Paulo na entrevista.

Sua ligação com o Hospital Varela Santiago iniciou-se ainda na universidade. Na época os estudantes que trabalhavam lá residiam nas instalações do hospital, afim de adquirirem uma enorme variedade de conhecimentos. Paulo morou no Varela por 3 anos e após a pós-graduação continuou a fazer cirurgias voluntariamente. O convite para dirigir o hospital foi feito por Severina Lamartine de Farias, a Dona Nazinha, tendo ele aceitado sapos garantir que teria “carta branca” para realizar o seu trabalho. Já em relação aos convites recebidos por ele para assumir as pastas de secretário de saúde estadual e municipal, Paulo relatou que não os aceitou para evitar possíveis transtornos que sua gestão traria.

Temas polêmicos e de relevância sobre a saúde pública também foram abordados pelos entrevistadores no programa, e Paulo não hesitou em respondê-los. A política e o recente “escândalo dos remédios” também entram em discussão. Paulo demonstra indignação o falar sobre o assunto, afirmando que os órgãos competentes deveriam punir o gestor superior pois a falta de medicamentos, para ele, é falta de compromisso e de planejamento. Para o médico os problemas e as crises enfrentadas nos hospitais brasileiros ocorrem devido à falta de gestão. 
 
Com 72 anos de idade, sendo 40 deles dedicados à medicina, Paulo Xavier tem orgulho do seu trabalho como gestor no Varela Santiago. Pioneiro em diagnóstico precoce e no tratamento do câncer infantil, o hospital por ser uma instituição filantrópica necessita de parcerias e doações para se manter. O projeto do governo estadual, Cidadão Nota 10 é um dos colaboradores do hospital, tendo em vista que as recentes reformas feitas no hospital só foram possíveis graças a esse dinheiro. “O Varela Santiago não leva em consideração endereço ou classe social”, assim disse Paulo Xavier no programa de hoje, que além de saúde, tratou também de humanização e valorização da vida.


quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Gestão e Medicina: Dr Paulo Xavier é o entrevistado da semana


    Foto: Assessoria Xeque-Mate

    O entrevistado da semana do Xeque-Mate é o médico e especialista em gestão, hoje diretor do Hospital Infantil Varela Santiago, Paulo Xavier. Nascido e criado em bairro humilde da cidade do Natal, no programa, o médico demonstra sentimento de gratidão e retribuição por tudo aquilo que já lhe foi feito na vida. Principalmente por ter conseguido tornar-se médico.
    Valorização da educação e dos valores de família são assuntos presentes constantemente em seu discurso. Além disso, o médico faz duras críticas ao sistema de gestão hospitalar e político de todo Brasil, apontando os gestores como “levianos e preguiçosos”.
    Paulo Xavier é também membro do conselho diretor da Unimed, grande rede de planos de saúde, no entanto critica a necessidade da população de recorrer aos planos para obter atendimento de qualidade, e diz que “a grande solução para o Brasil é o SUS (Sistema Único de Saúde)”.
   O crescimento da participação das mães no diagnóstico precoce em seus filhos e a transformação do Hospital Infantil em um hospital de ensino são as principais bandeiras defendidas por Paulo Xavier.
     Não perca a entrevista com o médico às 18:50, na TVU.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Fiquem ligados!

Após a exibição do programa de hoje à noite, tendo como entrevistado Rubens Guilherme, presidente do ABC Futebol Clube, sortearemos um kit com alguns brindes do time alvinegro em nosso twitter.
Para participar basta seguir o @xequematetvu e responder a uma pergunta que estará relacionada com algo dito pelo entrevistado. O resultado será divulgado no dia 15 de novembro, tanto pelo twitter como pelo blog. Participe!

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

O entrevistado do Xeque-Mate dessa semana é Rubens Guilherme, o presidente do ABC-RN.

Rubens Guilherme é o entrevistado da semana no Programa Xeque-Mate

Foto: Divulgação/ABCFC

O programa Xeque-Mate, exibido pela TVU, terá como entrevistado dessa semana o presidente do ABC Futebol Clube, Rubens Guilherme. Serão debatidos temas importantes para o futebol norte-riograndense, como a ascensão do alvinegro para a série B, o sucesso obtido pelo time com o novo plano de Sócio-Torcedor e os benefícios que uma boa estratégia de marketing trazem ao esporte. Não percam, sexta-feira as 18:50 na TV Universitária.

A boa fase vivida pelo mais querido esse ano tem reaproximado o torcedor do estádio e aumentado a participação da frasqueira nos assuntos que dizem respeito ao time. A proposta do novo plano de sócio-torcedor abcedista fez com que os poucos sócios alvinegros se transformassem em mais de 5000 associados. A gestão do presidente Rubens Guilherme tem sido bastante elogiada, não só pela torcida alvinegra como também pela mídia nacional.

A importância e a valorização das categorias de base também serão assunto no programa dessa semana, assim como os planos do presidente em relação ao ABC em 2011 e as futuras melhorias que o time fará em sua estrutura física. Algumas polêmicas também foram levantadas, como o exemplo de alguns empresários que pressionam o time para que o jogador que eles representam atuem como titular, a questão da Copa em 2014 e a construção do estádio Arena das Dunas. Tudo isso e muito mais você confere no Xeque-Mate.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Programa Xeque-Mate entrevistou candidata à reitoria da UFRN, Ângela Paiva


O programa Xeque-Mate dessa sexta feira, 29 de outubro, entrevistou a candidata a reitora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Ângela Paiva, e sua vice, a professora Fátima Ximenes.

As representantes da chapa “novas conquistas” apresentaram suas propostas e discutiram temas importantes para a gestão da universidade. Um deles surgiu no primeiro bloco, à respeito das cotas, as candidatas afirmaram que apesar do tema ser bastante discutido dentro da UFRN, elas concordam com o posicionamento da instituição em utilizar as cotas sociais, que beneficiam os alunos oriundos de escolas públicas, além do argumento de inclusão. Já em relação às cotas raciais, Ângela Paiva afirmou que a etnia predominante no Rio Grande do Norte não exige da UFRN esse tipo de ação. Em relação ingresso na universidade através do ENEM, Ângela se mostra cautelosa, tendo em vista que para ela, o modelo utilizado atualmente pela UFRN é muito bom, mas apesar disso a inserção da instituição nesse novo modelo de vestibular deve ocorrer gradativamente, a partir de avaliações dos resultados obtidos nos “testes”. A candidata afirmou que considera o ENEM uma opção democrática para os alunos, pois possibilita que os mesmos tenham a oportunidade de prestarem vestibular para qualquer universidade pública do país.

O programa Reuni, o qual a candidata Ângela coordenou, também foi assunto no primeiro bloco. Dando continuidade ao tema no segundo bloco, as melhorias na infra-estrutura do Campus foram exploradas pelos entrevistadores, como a questão do Restaurante Universitário, que desde o ano passado está em reforma e tendo seu prazo de entrega prolongado, o aumento na frota do Circular, melhorias no estacionamento e no trânsito dentro da universidade. O último bloco abordou questões sobre a divisão das verbas dentro da instituição e também sobre a valorização profissional dos funcionários da UFRN.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Programa Xeque-Mate entrevistou candidata à reitoria da UFRN



O programa Xeque-Mate entrevistou hoje a candidata Maria Arlete de Araújo, e seu vice Manoel Lucas. Os dois formam a chapa de oposição na campanha de sucessão da reitoria da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
A professora Arlete é titular do Departamento de Ciências Administrativas da UFRN desde 2007. Sua graduação acontece em diversas universidades pelo Brasil: UFSE, UFPB, UFRN, FGV; e na Universidade de Pompeu Fabra, em Barcelona-ESP. Seu companheiro de chapa é professor do Departamento de Engenharia Civil / CT. 

No programa forão debatidos temas polêmicos como cotas, investimentos, reformas e as ampliações ligadas ao REUNI, transporte, dentre outros. No comando do apresentador Ruy Rocha, os estudantes procuraram esclarecer as freqüentes dúvidas que permeiam as idéias dos telespectadores, esteja ele ligado direta ou indiretamente ao Campus.
As suas propostas também foram questionadas pelos estudantes, entre elas, a que dá maior autonomia financeira aos centros, passando mais dinheiro para eles e retendo menos dinheiro na reitoria. Também a proposta que procura criar maiores laços entre a instituição e o meio externo.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Um Jornalista Nato, Jomar Morais é entrevistado pelo Xeque-Mate




O Xeque-Mate dessa semana entrevistará o pernambucano radicado em Natal Jomar Morais, casado, pai de dois filhos e um apaixonado pela sua profissão. Começou a se interessar pelo jornalismo ainda muito jovem através de livros que o mesmo lia sobre a área nas bibliotecas da cidade.

Costumava frequentar a rádio Cabugi, atual Rádio Globo Natal, afim de conversar com os jornalistas que trabalhavam no local. Sua primeira oportunidade de emprego surgiu quando ele tinha 13 anos no jornal “A Ordem”.   O teste consistia em entrevistar o reitor da UFRN, Onofre Lopes, o prefeito de Natal, Agnelo Alves, o governador do Estado do RN e o Rei Momo, devido a proximidade do carnaval, ele foi admitido na função repórter. Quinze dias após começar a trabalhar no jornal foi enviado para cobrir a visita do então presidente do Brasil, Castelo Branco.

Além do jornal “A Ordem”, Jomar também trabalhou no “Correio do Povo”, “Tribuna do Norte” e “Diário de Natal”. Após concluir o curso de jornalismo na UFRN ele foi contemplado com uma bolsa da CAPS para fazer mestrado em São Paulo. Pouco tempo depois Jomar deu início a sua carreira como docente na USP. Ingressou nas redações do “Correio da Tarde” , “O Estado de São Paulo”, “Folha de São Paulo”. Nas revistas: “Veja”, “IstoÉ”, “Exame”, “Superinteressante” e “Viagem e Turismo”. Mas sua carreira, segundo ele, foi feita principalmente na Editora Abril, por onde publicou seu livro Meditação. No momento atua como colunista do “Novo Jornal”, em Natal.

Atualmente Jomar encontra-se aposentado, mas carrega consigo uma bagagem de anos de dedicação ao jornalismo. Visitou quase todos os estados brasileiros, com exceção de Roraima e o Amapá, conheceu 28 países como mochileiro e foi o primeiro jornalista brasileiro a possuir uma coluna oline.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Hilton Acioli


O Programa Xeque-Mate desta sexta-feira entrevistou o cantor e compositor da MPB, Hilton Acioli, que nasceu em 04 de Outubro de 1939, Campo de Santana (RN).
Acioli respondeu a questões que relacionaram desde o inicio de sua carreira, que vai da criação do Trio Marayá, o sucesso do jingle “Lula-lá” até os dias de hoje, onde ministra aulas de música.

Falou de curiosidades na sua carreira como a turnê que o Trio Marayá fez pela Hungria, que foi patrocinada pelo Partido Comunista da URSS. Sobre a participação em festivais, às mudanças que ocorreram na música, com decorrer dos anos, ele ressaltou também seus pontos de vista a respeito da pirataria, afirmou que ele mesmo baixar música pela internet. Apresentou seus métodos de ensino, a maneira como pode ser usada a teoria das múltiplas inteligências no ensino de crianças. Hilton demonstrou um grande prazer em dar aulas,especialmente para crianças. "

"A música sempre tem o seu lugar" Hilton Acioli.

Para saber mais sobre os temas abordados pelo cantor, você pode visitar também os sites:

Trio Marayá –


Múltiplas inteligências


Vídeo do jingle "Lula-lá" - 





quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Hilton Acioli é o entrevistado dessa semana.





          Cantor e compositor da MPB, Hilton Acioli, 71, nasceu em 04 de Outubro de 1939, Campo de Santana (RN). Seu primeiro contato com a música aconteceu naturalmente, aos 15 anos, sem nenhuma formação teórica. Segundo ele, "a música só acontece quando você ouve ou faz o som". 



Juntamente com outros dois amigos (Marconi Campos da Silva e Behring Leiros),  passou a integrar o Trio Marayá em 1954. No principio, adotaram o nome de Marajá, apresentaram-se no programa da Sociedade Artística Estudantil (SAE), na Rádio Poti. Em 1956, durante a realização de um congresso da União Nacional dos Estudantes, UNE, em Natal, foram convidados a ir ao Rio de Janeiro, onde alguns estudantes pretendiam criar um programa nos moldes do SAE. Pouco antes de viajar para o Rio de Janeiro, por sugestão do professor e folclorista Luís da Câmara Cascudo, adotaram o nome de Trio Marayá.

          Em 1989, compôs "Lula Lá", jingle do então candidato a presidência da República Luiz Inácio Lula da Silva. A canção foi lançada no CD O som da estrela do PT, junto com outras nove também de sua autoria. Acioli afirma que seu envolvimento com o PT não é partidário (mas, em contrapartida, é veemente em deixar claro que só vota no PT). Segundo o compositor, o curioso de suas composições para o CD do PT é que o partido não é mencionado em momento algum (fato que tomou forma de manchete no jornal Folha de São Paulo) - a associação é feita a partir dos poemas de promeça de mudanças de suas composições.

A sua visão sobre a relação "música e mídia" pode ser resumida em sua fala:"A música começa a perder terreno por culpa da própria televisão pois não se dá mais o espaço merecido na programação. Eles (produtores de TV) põem um programa sobre música no ar de madrugada, mesmo sabendo que a um show, por exemplo, vão milhares de pessoas. Não sei o que 'eles' entendem por audiência. "

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Arnon Andrade

O jornalista Arnon Andrade foi o entrevistado de hoje. Arnon começa contando que já nasceu ligado à educação. Sua mãe era a única professora da cidade, que com seu nascimento, teve que suspender as aulas por alguns dias. Arnon brinca: “Quando eu nasci, as aulas ficaram suspensas porque eu nasci.”
Arnon falou sobre os sindicatos dos jornalistas, conta que foi redator dos jornais e sobre as dificuldades encontradas. “Eu nunca me senti confortável em um partido”. Arnon afirma que sempre teve interesse pelos meios de expressão e de informação, daí seu interesse pelo rádio e jornalismo.
Arnon fala sobre as perseguições durante a ditadura, conta que os tempos eram difíceis. Arnon resolveu estudar novamente e fez o vestibular para pedagogia, e com pouco tempo, resolveu cursar psicologia.
Arnon explica que a UFRN já possuía uma consessão para possuir uma emissora de TV. “Só isso, já era meio caminho andado”, então, foram feitos programas sobre o Rio Grande do Norte, apoiados pelo INPE. Os programas eram produzidos em São José dos Campos e eram aqui transmitidos. 


Arnon conta com orgulho que foi escolhido para ser o primeiro diretor da TVU, pois já tinha experiência no ramo.
Sobre educação, Arnon mostra os dois lados da moeda. “Antigamente existiam escolas públicas boas, mas que atingiam apenas a elite da população. Hoje temos escolas públicas ruins, mas que por outro lado, atinge 97% das crianças”
A Televisão pública está mais voltada pelos interesses culturais, educativos. Diferentemente da TV privada, que está preocupada com lucros” Arnon comenta que muitas pessoas afirmam que a TV pública é ruim, pelo fato de não ter audiência mas que ele acredita que: “A boa TV não é aquela que tem audiência absoluta. A boa TV é aquela que permite que você a desligue. A TV que lhe permite ter outros interesses, como ler um livro”.


Arnon de Andrade é o entrevistado de hoje no Xeque-Mate


“Eu não escolhi a minha profissão. Foi a profissão que me escolheu.” É assim que o professor e ex-diretor da TV Universitária, Arnon de Andrade, define sua experiência com comunicação e educação, com as quais teve seu primeiro contato, aos 5 anos de idade. Agora, aos 71, faz um balanço de sua vida como comunicador e educador no programa Xeque-Mate desta sexta-feira.

Matriculado pelo pai no Programa “A hora da criança”, no qual crianças produziam peças radiofônicas e teatrais, Arnon teve sua primeira experiência na área de comunicação. Manteve-se no projeto até os 19 anos de idade, onde se tornou mestre daquilo que tinha aprendido naquele lugar. Ainda criança, conheceu Anísio Teixeira e Monteiro Lobato, e tantos outros nomes presentes nos movimentos culturais de seu tempo.

 Em 1964, com o golpe militar, Arnon foi afastado de um cargo na Petrolífera Petrobrás por manter um cargo de diretoria no Sindicato dos Jornaleiros, instituição que provocou, antes do golpe, a primeira greve da história da Petrobrás.

Já atuando como educador, ofício que aprendeu naturalmente com a mãe, professora, em 1971 especializou-se em Produção de Televisão Educativa e fez mestrado em Tecnologia Educacional, ambos no INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Coordenou a produção didática do Projeto SACI - Satélite Avançado de Comunicações Interdisciplinares, que entrou em fase experimental no Rio Grande do Norte, e futuramente seria conhecida como TV Universitária, com Arnon assumindo a primeira diretoria da TV.

O entrevistado aborda esses e outros assuntos no programa de hoje, entre eles: a força da TV como forma de entretenimento; o atual conteúdo da TV Brasileira e os aspectos da TV pública e privada, afirmando que “A boa TV é aquela que lhe interessa como programação e lhe permite desligar a TV e tratar de outros interesses.”

Não perca o nosso programa! 19:30, na TVU.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Conheça mais sobre o entrevistado de hoje: Edgar Morin

Nascido no dia 8 de julho de 1921 em Paris, França, Edgar Morin é considerado um dos principais pensadores contemporâneos e um dos principais teóricos da complexidade, ou até mesmo um contrabandista de saberes, como costuma se entitular. Apesar de sua formação em direito, história e geografia, Morin também estudou economia, filosofia e sociologia.

Em 1941 filiou-se ao partido comunista (PC) de seu país durante a segunda guerra mundial, objetivando ajudar a França na resistência à Alemanha nazista. Foi tenente das forças combatentes durante alguns anos, período em que adotou o codinome Morin, utilizado por ele até hoje. Durante o período lançou o seu primeiro livro, “O ano zero na Alemanha”. Depois do fim da guerra, participou da ocupação da Alemanha. Em 1949, distanciou-se do PC, que o expulsou dois anos depois.

Tornou-se diretor emérito de pesquisa do Centro Nacional de Pesquisa Científica (CNRS), e fundou o Centro de Estudos Transdisciplinares da Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais, (EHESC - Paris). Morin também é um apaixonado pelas artes em geral, principalmente pela literatura e pelo cinema. Propõe-nos uma reforma do pensamento por meio da reforma do ensino, transdisciplinar, capaz de formar cidadãos planetários, solidários e éticos, aptos a enfrentar a abrangência deste milênio. Não perca o Xeque-Mate dessa sexta, às 19:30 na TV Universitária.

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Programa Xeque-Mate entrevista Edgar Morin


O programa Xeque-mate, da TV Universitária, canal 5 da televisão aberta e 17 da Cabo, entrevista nesta sexta-feira (01/10) o sociólogo francês Edgar Morin. O entrevistado é considerado um dos principais pensadores contemporâneos e um dos principais teóricos da complexidade.
O sociólogo iniciou a entrevista falando como a Segunda Guerra Mundial influenciou e influencia seu trabalho. De acordo com Morin, esse período marca sua história para sempre. "Sou um filho da guerra. De alguma forma, a guerra ajudou a buscar um entendimento sobre a vida".
O debate seguiu de forma descontraída e tratando sobre os principais temas de suas pesquisas, como a complexidade. Segundo o próprio Morin, devemos romper com a noção de que devemos ter as artes de um lado e o pensamento científico do outro.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Projetos sociais, nível da odontologia brasileira e esportes: tudo em pauta com o ortodontista Carlos Alexandre.




O ortodontista Carlos Alexandre Câmara foi o entrevistado dessa semana do programa Xeque-Mate. Dentre os questionamentos, ele tratou da dificuldade de pessoas de baixa renda terem acesso ao tratamento ortodôntico de boa qualidade, citando o projeto de qual participa e o atendimento à crianças de uma escola pública que funciona próxima ao seu consultório: "Não posso atender todas as pessoas, mas eu ajudo quem eu posso", explicou.


 Além disso, Carlos Alexandre Câmara falou do uso de pastas "de adulto" (que possuem flúor) pelas crianças, explicitando os problemas que tal produto pode causar nelas devido ao alto teor tóxico do flúor e mostrando quando elas devem iniciar o uso de tal pasta. "As crianças só devem começar a usar as 'pastas de adulto' quando elas aprenderem a cuspir por que assim não ingerem o flúor", comentou.


O ortodontista elogiou ainda o nível dos profissionais do ramo da odontologia no Brasil em relação às grandes potências do mundo, falando das boas condições do estudos científicos da área no país. Porém, polemizou sobre a questão do excessivo número de escolas de odontologia no mercado e a grande redução no número de horas para a formação desse profissional.

 Carlos Alexandre Câmara finalizou a entrevistas falando da sua paixão pelo tênis de mesa, esporte de que pratica há muitos anos, e o qual recomenda pelo baixo risco de contusão pelos jogadores.


quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Xeque-Mate entrevista ortodontista Carlos Alexandre Câmara



Nesta sexta-feira (17), o Programa Xeque-Mate entrevista o ortodontista Carlos Alexandre Câmara, membro da Fundação Mundial de Ortodontia e diretor do Colégio dos Diplomados em Ortodontia e Ortopedia Facial, a partir das 19:30 com exibição pela TV Universitária (TVU- Canal 5).

Carlos contará sobre a sua paixão pela área que escolheu, segundo ele, adquirida desde a primeira vez que entrou em um consultório odontológico.  Mas também falará das dificuldades encontradas no seu início de carreira, quando teve que mudar-se para Natal e encontrou aqui a falta de reconhecimento desses profissionais.

O atual quadro de ofertas de emprego na cidade é outro ponto que será comentado por Carlos durante a entrevista, indispensável para qualquer estudante de odontologia, esteja ele entrando na universidade agora ou já se formando, ou simplesmente para aquele que tem curiosidade pelo ramo.  

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Pequenos curiosos no estúdio do Xeque-Mate


       O Xeque-Mate recebeu nessa semana uma alegre visita. Crianças do ensino fundamental de uma escola particular da região da grande Natal foram conhecer as instalações do programa e tirar as suas dúvidas a cerca do fascinante universo da televisão.
      “Eles estão estudando a história dos meios de comunicação, então viemos até a TV universitária para que eles pudessem aprender de maneira interdisciplinar” disse uma das cinco professoras que acompanhavam o grupo de alunos. Eles chegaram ao estúdio e freneticamente se posicionaram em frente às câmeras, queriam ter seus rostos estampados na TV. José Rebouças,diretor do programa,se apresentou e falou a cerca dos equipamentos e da dinâmica do Xeque-Mate.
      Dezenas de olhares curiosos e milhares de dúvidas na ponta das línguas esperavam apenas o comando de Rebouças “Então crianças, alguma dúvida?” Rapidamente, uma das crianças estendeu o braço e perguntou “Como vocês preparam as perguntas?” Um dos entrevistadores prontamente respondeu que antes da gravação do programa há uma reunião de pauta e nela eles estudam a vida do entrevistado. Seguidamente outras perguntas surgiram. Elas versavam sobre os mais variados temas: cromaqui(chamado por eles de tela verde), animação, iluminação e até sobre as próprias figuras que ali estavam.
     O tempo se esgotou. Eles seguiram um a um para fora do estúdio. Alguns teimosos ainda ficaram fazendo caras e bocas em frente às câmeras, mas imediatamente a professora veio levá-los para junto do grupo. O estúdio, então, ficou em silêncio. Agora sim,  Maertelinck Rêgo, médico do América Futebol Clube, pode enfim ser colocado em xeque.